Blog do MX Cursos

Aplicativos Híbridos X Nativos

Aplicativos Híbridos X Nativos

Olá, neste artigo você vai entender o que são as Aplicativos híbridos, quais as vantagens e desvantagens que elas possuem em relação às apps nativas e quais caminhos podemos seguir com esse desenvolvimento.

Desde 2007, apps se tornaram mania e grande parte deste sucesso vem dos smartphones que crescem rapidamente em todo o mundo.

Eles oferecem aos usuários diversas ferramentas para cada tipo de necessidade ao alcance de nossas mãos e cada vez mais fazem parte do nosso cotidiano. Com eles, somos capazes de gerir nossas finanças, pedir comida, pedir um táxi, controlar uma empresa, acessar câmeras de nossas casas, comprar, vender e muitas outras funcionalidades que facilitam nossas vidas.

Passamos cada vez mais tempo conectados aos nossos dispositivos. Mais do que isso, nós tornamos os nossos apps ferramentas para deixar as rotinas mais práticas, gastando nosso tempo naquilo que realmente importa.

Smartphones são uma realidade e ainda permanecerão (sob o avanço da tecnologia) no futuro e cada vez mais usuários de um aplicativo serão responsáveis pela divulgação e popularidade de um serviço ou produto.

A criação de um aplicativo para smartphones e tablets é mais simples, rápida e com menor gasto.

Com o grande crescimento do número de telefones no mundo todo, lojas de aplicativos tornaram-se grandes vitrines de oportunidades para desenvolvedores lucrarem com ferramentas inovadoras.

Graças à segurança e ao controle de dados, as pessoas ficam mais seguras ao comprar e utilizar um aplicativo novo, por saberem que o risco de perderem algum dado é menor.

Nossos cursos indicados

Hoje, um usuário comum instala pelo menos três aplicativos em seu telefone, muitas vezes pagando por isso. Mais de 75% dos donos de smartphones usam aplicativos pelo menos uma vez ao dia, gerando bilhões em lucros para desenvolvedores.

Saber se posicionar nesse mercado, antecipando tendências e diminuindo erros, é fundamental para o futuro de empresas que planejam estar à frente no mercado.

Mas o que é aplicativo mobile?

Aplicativos

Resumindo sucintamente, são softwares que desempenham objetivos específicos em smartphones, tablets e até desktops.

No primeiro trimestre de 2016, foi feito um levantamento sobre o número de downloads de aplicativos ao redor do mundo.

Um destaque ficou para o Brasil, que atrás apenas de Estados Unidos e China, encontrava-se em terceiro lugar na lista, que é completada por Índia, Rússia, México, Turquia, Indonésia, Japão e Coreia do Sul.

Tendências de mercado de aplicativos

O mercado de aplicativos é um dos mais atraentes para empreendedores, grandes empresas e profissionais na área da tecnologia.

Afinal, somente no Brasil, há 168 milhões de smartphones, de acordo com dados de 2016 da FGV (Fundação Getulio Vargas).

A tendência para 2017 é que o mercado de aplicativos movimente cerca de 197 bilhões de downloads, e a projeção para o fechamento do ano de 2021 é de cerca de 352,9 bilhões.

Financeiramente falando, de acordo com relatório da App Annie Forecas, 2016 fechou com o mercado girando em torno de US$ 61,8 bilhões. A previsão para 2017 ficou em US$ 82,2 bilhões  e ainda para 2021, uma receita anual de US$ 139,1 bilhões.

Atualmente, a China lidera esse mercado, seguido por Estados Unidos, Índia, Brasil e Indonésia.

Aplicativos

O Android já é o sistema operacional mais usado no mundo, e a previsão para 2017 foi que já será também o mais rentável, comparando-se com iOS e Windows Phone.

A previsão é de que a loja do Android tenha uma receita de US$ 41 bilhões, contra US$ 40 bilhões da Apple.

Para fechar o relatório, o número de downloads do Android vai aumentar ainda mais a folga em relação ao iOS, sendo que 2016 girou em torno de 108 bilhões de downloads, contra 29 bilhões do rival e em 2021 a diferença será de 300 bilhões contra 42 bilhões de downloads.

Bom, vamos pensar na seguinte situação: um cliente chega até você e fala que precisa de um aplicativo para as plataformas Android e iOS com acesso à câmera, GPS e banco de dados e ainda um prazo de 30 dias deverá estar publicado nas lojas Play Store e App Store.

Provavelmente há não muito tempo atrás, muitos desenvolvedores diriam que seria praticamente impossível, porém, como a necessidade faz a tecnologia “voar”, hoje é totalmente possível resolver esse problema.

Como? Com o desenvolvimento mobile híbrido.

Mas qual a diferença de desenvolvimento nativo e híbrido?

Nativo

  • É necessário um desenvolvedor especialista para cada plataforma (Android com Java, iOS com Objective-C ou Swift, e Windows Phone com C#) ou um desenvolvedor ninja que manja muito de ambas plataformas;
  • Possui acesso à todos os recursos do dispositivo, com bom desempenho (acelerômetro, giroscópio, geolocalização, etc);
  • Como são desenvolvidos especificamente para cada plataforma, explora muito bem toda a UX/UI , seguindo o padrão de interface do usuário adequadamente.

Híbrido

  • Um desenvolvedor conhecedor de HTML, CSS e JS é capaz de, em um único código fonte, desenvolver para ambas as plataformas (Android, iOS e Windows Phone);
  • Tem a capacidade de acessar recursos nativos do dispositivo através do Cordova e Phonegap, que servem basicamente para criar um app nativo, capaz de abrir uma webview executando o HTML/CSS e JavaScript e mostrar ao usuário;
  • Respeita a UX/UI do sistema operacional do dispositivo, porém, utiliza um navegador embutido no aplicativo para demonstrar ao usuário.

Em relação ao custo do desenvolvimento:

Nativo

O custo de um aplicativo nativo é bastante elevado, principalmente contratando um desenvolvedor específico para cada plataforma. Aliado à isso, o prazo de entrega final do aplicativo pode demorar um pouco mais, visto a complexidade de desenvolver para ambas as plataformas;

Híbrido

Já o custo para o desenvolvimento híbrido é bem reduzido, bem como a demanda de prazo para o desenvolvimento, visto que um único código é capaz de gerar o app para ambas as plataformas.

Em relação ao conhecimento/linguagens de programação:

Nativo

  • Para o Android, além de seguir as boas práticas do Google em relação ao design, é necessário dominar a base do Java, bem como alguma IDE com suporte específico de componentes e SDKs, podendo citar o Android Studio, NetBeans, Eclipse, etc. Pode ser desenvolvido em sistemas operacionais Windows, OS X e Linux;
  • Para o iOS, também seguindo as boas práticas da Apple para a UX/UI de interface do usuário, é imprescindível pleno conhecimento de Objective-C ou Swift, além de dominar a ferramenta específica (e única) de desenvolvimento da Apple, o Xcode. Portanto, é desenvolvido exclusivamente em um sistema operacional OS X;
  • Para Windows Phone, é necessário ter o Microsoft Visual Studio como IDE de desenvolvimento, com todos os SDKs instalados e ter conhecimento na linguagem C#, podendo ser desenvolvido em sistemas operacionais Windows, OS X e Linux.
Leia também  Ionic 4.0.0-beta.0 - O que podemos esperar?

Híbrido

Hoje em dia, há um verdadeiro leque de frameworks disponíveis no mercado que auxiliam o desenvolvimento híbrido; os mais usuais pelos desenvolvedores são:

  • Ionic, que é baseado em HTML, CSS e JavaScript, e utiliza o AngularJS;
  • Apache Cordova, sendo uma biblioteca de API’s que possibilita acessar funções nativas de dispositivos móveis apenas com JavaScript;
  • Phonegap, que semelhante ao Ionic, também tem como base o uso de HTML, CSS e JavaScript. Ele garante o funcionamento nas plataformas desejadas utilizando o Apache Cordova;
  • O Meteor nos possibilita escrever apps com JavaScript, prometendo reduzir radicalmente o código necessário para o desenvolvimento;

Além destes, podemos citar vários outros exemplos, como Chocolate-UI, Framework 7, Ratchet, jQuery mobile, Lungo, e a lista é grande.

O Xamarin (utilizando C#), React Native (Javascript) e Flutter, têm propósitos parecidos em relação à buscar métodos de desenvolvimento de widgets nativos do dispositivo, porém, dividem espaço com os Frameworks em relação à um único código proporcionar apps multiplataformas.

Diferentemente do desenvolvimento nativo, o desenvolvimento híbrido não necessita de uma IDE específica. Para se ter uma ideia, com o bloco de notas já é possível desenvolver. Claro que há vários Editores de Texto que nos auxiliam muito e instalando plugins, o desenvolvimento flui com muita rapidez. Podemos citar como os mais utilizados pelos desenvolvedores o Atom, Visual Studio Code, Sublime Text, VIM, entre muitos outros.

Ah, e se você quiser saber um pouco mais sobre IDE’s para programar, leia este artigo aqui.

Agora iremos listar alguns aplicativos de sucesso, desenvolvidos nativamente ou de forma híbrida:

Aplicativos nativos

  • Facebook Messenger é um grande exemplo de app nativo, que foi desenvolvido para atender recursos dos sistemas operacionais Android e iOS, e posteriormente Windows Phone. Ele cumpriu fielmente a promessa de não apostar todas as suas fichas no HTML e aproveitar melhor as oportunidades e a experiência de um app nativo;
  • WhatsApp é o mais famoso aplicativo nativo de mensagens instantâneas, que inclusive foi vendido ao Facebook por US$ 16 bilhões e se tornou consagrado em grande parte do cotidiano das pessoas do mundo inteiro;
  • O Skype, que utiliza recursos como vídeo, áudio e chat em tempo real, além de envio de arquivos, também é um exemplo de sucesso de aplicativo nativo;

É claro que a lista é gigantesca. A grande maioria dos aplicativos de sucesso é desenvolvida nativamente e pertence à grandes empresas e startups multinacionais.

Aplicativos híbridos

Não tão famosos quanto os nativos, mas giram grandes volumes de downloads e mídia. Alguns exemplos de aplicativos desenvolvidos de forma híbrida, são:

  • Untappd, que é uma rede social e de check-in para cervejeiros, onde os usuários facilmente conseguem encontrar cervejarias e bares pelo mundo todo. É importante salientar que mesmo sendo um app híbrido, utiliza geolocalização e integração com Foursquare e Facebook, por exemplo;
  • O MarketWatch também é desenvolvido de forma híbrida. O app oferece aos usuários as últimas e mais importantes notícias comerciais e informações de mercado financeiro;
  • O app Pacífica é um aplicativo bem interessante e híbrido. Ele controla o estresse, ansiedade e preocupação, construído em torno das atividades rápidas e interativas que os usuários podem realizar. Os desenvolvedores basearam-se na técnica conhecida como terapia cognitiva-comportamental. O app é sucesso na área da saúde.

Mas afinal de contas, o que é melhor para minha empresa ou cliente? Desenvolver um aplicativo nativo ou híbrido?

Não há uma resposta de imediato sem analisarmos algumas perguntas:

O aplicativo é um protótipo?

Caso seja um protótipo para alguma demonstração, sem dúvida nenhuma o desenvolvimento híbrido é a melhor opção, pois consegue, a curto prazo, prototipar layouts de telas demonstrando para multiplataformas.

Utilizará muitos recursos nativos do dispositivo?

Se o seu aplicativo for bastante complexo, com acesso à vários recursos do hardware do dispositivo, o desenvolvimento nativo proporcionará melhor experiência ao usuário. Caso contrário, sendo um aplicativo mais simples, com poucos recursos, o híbrido está de bom tamanho.

A UX/UI devem estar impecáveis?

Bom, se deseja que seu aplicativo fique com um layout de encher os olhos, uma performance arrasadora para o usuário mostrar o que o sistema operacional do dispositivo pode oferecer, o nativo é a melhor opção.

Por outro lado, se para a sua necessidade o bonito e funcional já basta, parta para o desenvolvimento híbrido e seja feliz.

Qual a gama de usuários que irão utilizar?

Caso seu aplicativo seja para um público mediano, que não exigirá muita demanda, pode-se usar o desenvolvimento híbrido, desde que tenha uma boa conexão com o backend e esteja muito bem codificado. Em contrapartida, se o seu aplicativo é acessado por pessoas do mundo inteiro, o nativo é a melhor opção e vai proporcionar melhor fluidez ao usuário. Porém, essa questão pode depender muito do seu backend para funcionar bem em ambos os desenvolvimentos.

Qual seria a deadline de entrega?

É claro que isso faz muita diferença. Se você tem um curto tempo para entrega do aplicativo, sem dúvidas o desenvolvimento híbrido será a sua melhor solução, pois como citamos anteriormente, o código é reaproveitado para multiplataforma.

Mas, se acha que tem tempo de sobra para desenvolver separadamente, é claro que poderá partir para o nativo, porém, é muito importante lembrar de manutenções futuras, onde o nativo terá manutenção redobrada para cada plataforma.

Conterá muitas implementações futuras?

Adentrando mais na manutenção do seu aplicativo, com o desenvolvimento híbrido seu desenvolvimento será somente em um código. Por outro lado, no nativo, deverá – para cada plataforma – fazer a devida alteração no código, e isso consequentemente demandará mais tempo de desenvolvimento.

Tenho grana para investir no aplicativo?

Uma questão importante é o custo do desenvolvimento. Por muitos motivos citados anteriormente, o desenvolvimento híbrido tem um custo muito baixo em relação ao nativo.

Conclusão

Após fazer um balanço das respostas, pelo menos algum caminho e noção nós teremos para saber como vamos desenvolver nosso aplicativo.

Com base em todo o contexto, podemos concluir que não se pode negar a hipótese de que desenvolvimento híbrido está evoluindo ao ponto de apresentarem mais vantagens que desvantagens, principalmente pela facilidade de mão de obra, o curto prazo de desenvolvimento e custo final do aplicativo.

Podemos salientar que a grande vantagem do aplicativo híbrido seria a implementação de apenas um código para a sua distribuição em várias lojas de aplicativos.

Em contrapartida, apesar do desenvolvimento híbrido estar em constante evolução, sempre haverá um gap em relação ao desenvolvimento nativo, o que faz com que os apps utilizando tecnologia multiplataforma não estejam ao par com o que há de mais novo em cada plataforma (por exemplo, com o lançamento do iOS 10, foi liberada a API SiriKit para integrar apps de terceiros com o assistente pessoal da Apple, e demandou um certo tempo para aplicativos híbridos terem esse acesso).

Para finalizar, o desenvolvimento mobile requer profunda análise de uma série de fatores que já citamos anteriormente.

É importante ressaltar que a abordagem nativa não é melhor que a híbrida ou vice-versa, são apenas distintas e deve-se avaliar qual utilizar caso a caso de acordo com a sua necessidade.

Um abraço e até a próxima!

QUER POTENCIALIZAR SUAS HABILIDADES EM SOFTWARES E SEGMENTOS DO PRESENTE E DO FUTURO?

CURSOS ONLINE